4 de agosto de 2015

NOTAS SOBRE A NOVA PRISÃO DE ZÉ DIRCEU

Zé Maria-PSTU Nacional 


A acusação é a mesma da prisão passada, com um detalhe que faz muita diferença – agora os investigadores acusam Dirceu de enriquecimento ilícito, alem da corrupção para financiar campanhas e atividades de seu partido.

Pela segunda vez é expedido mandado de prisão contra Zé Dirceu, liderança histórica do Partido dos Trabalhadores e que exerce ainda muita influencia entre os dirigentes partidários. 

Naquele momento, mesmo frente a todas as evidencias de que estes dirigentes tinham praticado crime de corrupção, ainda houve muita movimentação de dirigentes e militantes petistas para defender Zé Dirceu e tentar transformá-lo em herói da luta do povo perseguido pela “direita”. Não sei se agora, com as informações que vieram a público sobre os benefícios pessoais que obteve de todo este processo, isso vai se repetir. Mas quero, de toda forma, levantar algumas questões para refletirmos.

Não há o que comemorar com a prisão, mas tampouco há o que defender nestes dirigentes.

Quando da primeira prisão eu escrevi que se tratava de um fato ante o qual não havia o que comemorar, pois era a expressão de uma dura derrota da classe trabalhadora. Veja, a derrota que falo aqui não é a prisão em si, e sim o fato de que ela era o ponto de chegada de um longo – e profundo - processo de degeneração deste partido.

A origem do processo de degeneração remonta às decisões da direção do PT pela aliança com os grandes empresários, e a decisão de governar por dentro das instituições do Estado capitalista, calcadas na corrupção. De esperança dos trabalhadores, o PT, chegando ao governo, se transformou em seu algoz, aliando-se aos bancos e grandes empresas. E, para governar, adotou os mesmos métodos (corrupção) dos partidos que antes criticava. Esta é a derrota.

Por outro lado, não havendo o que comemorar, tampouco havia o que defender naqueles dirigentes. Há muito haviam abandonado a defesa dos direitos e interesses dos trabalhadores, para defender os bancos, as multinacionais e o grande empresariado. Esta situação é, hoje, ainda mais aguda. A revolta contra o PT que existe entre os trabalhadores brasileiros – em especial a classe operária – é expressão de que a compreensão deste fato está disseminada por toda a classe. E é indefensável o que fizeram: usar seus cargos públicos para praticar corrupção com dinheiro do povo.

A burguesia, através de seus órgãos de imprensa, usa isso para tentar vender aos trabalhadores a idéia de que somos todos iguais. Que, se o PT é assim, toda a esquerda é assim, todos os socialistas são assim. Querem convencer os trabalhadores de que não há saída, não há o que fazer porque esta situação nunca vai mudar. O que cabe a nós, a todos e todas que continuam na luta dos trabalhadores, na luta pelo socialismo, é mostrar aos trabalhadores que não temos nada a ver com isso, não temos a mais mínima responsabilidade pela tragédia que representa hoje a direção do PT. 

Precisamos mostrar aos trabalhadores que é possível sim, fazer escolhas diferentes das que eles fizeram e que os trabalhadores governem o país, acabando com toda forma de exploração e opressão, mas também com a corrupção, este câncer tão característico do capitalismo. Que devemos e podemos nos organizar e lutar para atingir este objetivo. Não há como fazer isso sem condenar duramente estes dirigentes pelo que fizeram.

Corrupção, julgamento político e justiça burguesa.

É sim, político, o caráter das investigações em curso, bem como de muitas das prisões efetuadas. Não tem nada de imparcial ou de isento no que a justiça brasileira faz. Concordamos com este aspecto da crítica que fazem os dirigentes e muitos militantes do PT. Pena que só agora, depois de 12 anos no governo, tenham acordado para esta realidade. Os trabalhadores sabem disso faz tempo. Todas as greves, ocupações, manifestações de rua que fazemos são atacadas por esta mesma polícia e essa mesma justiça, que é de classe, que defende os interesses do poder econômico e não de toda a população.

Diante de todo o espalhafato feito a partir da Operação Lava Jato, há muitas perguntas que seguem esperando resposta: porque Maluf ainda não está preso? E Collor de Mello? E o mensalão do PSDB, anterior ainda ao do PT? E a corrupção no Metrô de São Paulo, envolvendo empreiteiras e os governos do PSDB? E o helicóptero cheio de cocaína encontrado em Minas Gerais? E o aeroporto nas terras da família de Aécio Neves? Poderíamos ficar dias citando casos nítidos de corrupção, não apurados ou não punidos. Tentar circunscrever então, a corrupção aos governos petistas é puro cinismo da burguesia, de seus partidos e da sua mídia.

Não podemos, então, deixar de denunciar a hipocrisia desta campanha “pela moralidade” feita pela burguesia e seus órgãos de imprensa. Nem deixar de exigir que sejam apurados todos os casos de corrupção envolvendo a quem quer que seja. E que sejam punidos todos os corruptos e corruptores, com cadeia e confisco dos bens. Tampouco se pode fechar os olhos a métodos de apuração e a prisões que são feitas ao arrepio de qualquer norma democrática. Não aceitamos e denunciamos quando são praticadas contra as nossas lutas e nossas organizações e não podemos aceitá-las, portanto, em nenhuma circunstancia.

No entanto, o que está dito acima – que são fatos – não exime os dirigentes petistas e a Zé Dirceu do que fizeram. A corrupção que praticaram é prejudicial ao país e aos trabalhadores. E eles precisam pagar pelo que fizeram. O ideal é que fossem julgados pelos próprios trabalhadores a quem traíram fazendo o que fizeram, pois não se pode nunca confiar na justiça burguesa, mas hoje não temos condições de fazê-lo. Então eles têm de enfrentar a justiça da burguesia que aí está, e que ajudaram a fortalecer nos doze anos em que governam o país. Trata-se de conseqüência de escolhas feitas por eles mesmos.

Retomar e levar adiante nosso sonho socialista

Portanto, como se diz por aí “nem rir, nem chorar...compreender”. Esta é a necessidade que está colocada e por isso é importante a reflexão. Uma compreensão correta do cenário em que estamos é fundamental, especialmente aos que se identificam com o PT e que permanecem na luta da classe trabalhadora. O momento não de defender estes dirigentes, mas tampouco de se desmoralizar pelo que fizeram. O momento é de deixar para traz uma experiência que fracassou.

Não podemos deixar que estes dirigentes roubem também os nossos sonhos. O momento é o de erguer mais alto ainda as bandeiras da independência de classe, do socialismo e da construção de um partido que possa extrair as lições da experiência do PT e aprender com elas. Um partido que possa ser o instrumento político para a luta pela libertação dos trabalhadores e da juventude brasileira das mazelas do capitalismo. Um partido socialista e revolucionário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui a sua opinião!

Marcadores