4 de junho de 2014

Trabalhadores derrotam reitor da UFPR e impedem a privatização do Hospital de Clínicas!

Sessão do Conselho Universitário convocada às escondidas pelo Reitor Zaki foi suspensa graças a pressão feita pelo movimento em defesa do Hospital de Clínicas e dos empregos dos trabalhadores da Funpar! A mobilização deve continuar forte nos próximos dias, já que um novo COUN pode ser convocado a qualquer momento!

Vitória da comunidade universitária da UFPR!
Vitória da saúde pública!
Vitória dos trabalhadores e trabalhadoras em greve!

Hoje foi um dia de muita luta em Curitiba. Depois de passarem a noite toda em vigília, os trabalhadores e trabalhadoras em greve da UFPR derrotaram o reitor e impediram a votação do EBSERH no COUN. Se a criação desta empresa fosse aprovada, isso significaria o fim do caráter público do Hospital de Clínicas e a demissão de 916 trabalhadores Funpar.

Essa foi uma vitória histórica do movimento e a participação de estudantes, professores e da comunidade em geral foi fundamental. O dia começou com a realização de um ato vitorioso pela manhã no centro de Curitiba, com a presença de mais de 1000 pessoas e que contou com o apoio e solidariedade de toda a população por onde passavam os balões amarelos com os dizeres “EBSERH: Aqui não!”.

Enquanto os servidores, estudantes e professores estavam nas ruas da cidade, a sessão do COUN foi secretamente transferida para fora da Universidade. Os conselheiros que representam as três categorias da comunidade universitária no Conselho ficaram sabendo do novo local de reunião apenas 15 minutos antes da sua realização. Quando chegaram no local escolhido, a Procuradoria da República, foram recebidos em um prédio cercado pela Polícia Militar, especialmente convocada para reprimir qualquer manifestação.

Apesar de toda a armação e intimidação, a reitoria da UFPR não foi capaz de colocar em votação o EBSERH, e isso se deve a alguns motivos importantes. Primeiro, não é unânime entre os conselheiros do COUN a criação de uma empresa para gerenciar o HC e dos 45 presentes na sessão secreta de hoje, por volta de 17 votariam contra. Isso por que é perceptível que a EBSERH é sinônimo de destruição da autonomia universitária. Hoje, o HC não apenas é responsável pelo atendimento de milhares de pessoas todos os dias, mas também pela condução de pesquisas de ponta na área da saúde, pois é um Hospital Universitário. Com a autarquização do hospital, a pesquisa e a formação dos trabalhadores da saúde será diretamente afetada.

Em segundo lugar, pela falta de quórum, ou seja, de um número mínimo de conselheiros para a votação poder ser realizada. Ao promover uma sessão secreta, a reitoria deixou de convocar alguns dos conselheiros e tentou fazer uma reunião favorável a EBSERH. Zaki priorizou o convite aos seus amigos e o resultado é que a reunião foi pequena. Por outro lado, por não se sentirem representados pela manobra que a reitoria fez, os representantes das três categorias – SINDITEST, APUFPR e DCE – se retiraram unidas e a sessão precisou ser suspensa.

Essa foi uma importante vitória, também, dos companheiros que ficaram na porta da Procuradoria da República, em um ato pacífico que conseguiu impedir a repressão da polícia e garantir a manifestação contra a sessão secreta chamada para aprovar a EBSERH.

Na Copa vai ter muita luta!

Greve da Saúde
Esse dia foi de luta também em vários hospitais de Curitiba. Foi o primeiro dia da greve do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Curitiba e Região (SINDESC), que mobiliza trabalhadores dos hospitais particulares, filantrópicos e Hospital do Idoso. Durante o dia, foi realizado um ato com mais de 400 pessoas e a greve é em defesa de R$ 400,00 de vale alimentação, aumento de 15% no salário-base e que a insalubridade seja calculada tendo como referência o salário-base. A partir de amanhã, deverão parar os seguintes hospitais: Pequeno Príncipe, Santa Casa, São Vicente, Cajuru, do Idoso, Marcelino Champagnat e Nossa Senhora das Graças.

Ocupação reitoria UTFPR
Durante a tarde e inspirados na luta da UFPR, os trabalhadores em greve da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) ocuparam a reitoria desta instituição para exigir que o Governo Dilma negocie com os servidores federais em greve há dois meses!

Essa luta não pode parar agora! 

Com a proximidade da Copa do Mundo, a reitoria e os governos esperam a desmobilização do movimento para implantar a privatização do HC pelas nossas costas e desmoralizar os trabalhadores em greve. Nenhuma confiança pode ser depositada na atual gestão da UFPR, que já deu mostra de que é capaz de trair a própria comunidade universitária para levar a diante o desmonte da educação e saúde públicas. É fundamental manter a mobilização viva e forte para período que se aproxima.


05 de junho, quinta-feira.
Às 9h00 na Rui Barbosa. Concentração da greve da saúde.

Às 18h00 no RU Central: reunião da Frente de Luta em defesa do Hospital de Clínicas. Para organizar os próximos passos.

Um comentário:

  1. Esse relato é o real e fiel à realidade que os manifestantes encontraram hoje. Diferente do que noticia a mídia do Zaki.

    ResponderExcluir

Deixe aqui a sua opinião!

Marcadores