30 de janeiro de 2014

TODO O DIA É DIA DA VISIBILIDADE TRANS*!

Brenda Pina pelo PSTU Curitiba
Dia 29 de janeiro é dia de dar visibilidade à luta contra a transfobia. É dia de denunciar a violência cotidiana, a exclusão social, a negação do acesso à saúde, ao emprego digno e à educação.
Essa luta é necessária. Atualmente, muitas pessoas trans são obrigadas a interromper os estudos por não conseguirem se manter na universidade, seja pela falta de assistência estudantil ou pela própria opressão sofrida diariamente nas instituições e fora delas.
Muitas são negras, moradoras da periferia ou dos grandes centros urbanos e acabam destinadas à marginalização, bem como sendo empurradas para a prostituição como única fonte de sobrevivência, ou assumem outros trabalhos precarizados.
Essa realidade é reflexo da sociedade capitalista, que cada vez mais se utiliza das diferenças, sejam elas entre os sexos, de orientação sexual e ou racial para explorar e oprimir.
Nesse contexto, o Brasil é recordista em assassinatos por homofobia. Só em 2012 foram registrados no Brasil 338 assassinatos. Infelizmente, esse número tende a aumentar, conforme mostram as recentes notícias sobre violência contra os LGBT’s. Os assassinatos brutais do jovem Kaique, tipificado como suicídio pela polícia e de Bruno em São Paulo, são tristes exemplos que chocaram o país nos últimos dias.
Em Curitiba, na capital “modelo” para os padrões capitalistas, também observamos muita intolerância. Muitos casos de violência à LGBT's já foram noticiados.
No dia 16 de outubro de 2012, o então candidato a prefeito, Gustavo Fruet (PDT), assinou um termo de compromisso, afirmando “buscar a colaboração da prefeitura na defesa dos direitos humanos e luta para o fim da discriminação dos LGBTs.” O termo foi assinado também por sua vice, Mirian Gonçalves (PT). Mais de um ano depois, nada aconteceu, o termo virou letra morta como já era esperado.
Não temos ilusão no compromisso desse governo com os LGBT's, afinal o PT, em nível federal e sua bancada de apoio, como o PDT de Fruet, já mostraram suas caras, não mudando a realidade da homofobia durante os 11 anos de poder, conforme demonstram os índices de violência.
Nesse sentido, o 29 de janeiro é dia de reafirmar que não vamos aceitar que o Brasil bata o recorde de investimentos em copa do mundo para os grandes empresários, nem que os estádios sejam construídos com sangue dos trabalhadores, enquanto falta dinheiro para saúde, educação, moradia, transporte e combate à violência, tão urgentes, especialmente aos setores oprimidos como o das pessoas trans*!
A nossa luta é cotidiana contra a transfobia, a homofobia, o machismo e o racismo. Não vamos mais tolerar assassinatos, espancamentos, assédios, estupros corretivos e piadinhas machistas e preconceituosas. Por isso, não só no dia 29 de janeiro, mas como em todos os outros dias que virão a luta continua, pois não nos calaremos enquanto o Estado brasileiro "suicida" mais LGBT’s.
Em um país onde é preciso dinheiro para atender às especificidades dos LGBT’s na saúde pública, em programas que garantam a permanência na escola e o combate à violência, o que vimos são milhões do orçamento público sendo investido em copa do mundo.
Precisamos de segurança e não de repressão, da expansão do emprego e não do turismo sexual!
Por isso exigimos:
Direito ao nome social já!
Despatologização das identidades trans*!
Aprovação do PLC 122 abrangente (que criminaliza a homofobia)!
Basta de transfobia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui a sua opinião!

Marcadores