18 de dezembro de 2013

Nota de apoio à greve dos trabalhadores terceirizados do RU da UFPR

A comunidade acadêmica que foi utilizar os serviços do Restaurante Universitário da UFPR nesta segunda-feira, 16/12/13, se deparou com as portas fechadas e com a mobilização dos funcionários terceirizados que trabalham no local. A ação foi em protesto ao atraso de meses no pagamento dos salários e por melhores condições de trabalho.

O Restaurante Universitário da UFPR é administrado atualmente pela empresa terceirizada SOLUÇÃO, seguindo a lógica de precarização das relações trabalhistas com a redução do pagamento de seus funcionários em “folha”, nomeando-o de “benefícios” o que possibilita o não pagamento destes ou possíveis atrasos.
A situação desses trabalhadores terceirizados vem se arrastando há 2 meses, culminando em uma greve espontânea cujas pautas são:
- Pagamento integral do vale transporte e vale alimentação!
- Pagamento em dia dos salários!
- Por melhores condições de trabalho!
Além das pautas referentes à remuneração, os terceirizados questionam também a qualidade dos equipamentos que utilizam para trabalhar, corroborando para a insegurança no ambiente de trabalho.
A situação dos trabalhadores terceirizados do RU da UFPR é um reflexo da política de ampliação das terceirizações e ataques aos direitos trabalhistas presentes no Brasil todo nos últimos 20 anos.
Essa realidade significa a entrega do serviço público nas mãos do setor privado, tendo origem no governo FHC e se intensifica de maneira mais nefasta no governo do Partido dos Trabalhadores com Dilma e o empresariado à frente, culminando no recente Projeto de Lei nº 4330 que propõe legalizar a precarização do trabalhador terceirizado.
Com as terceirizações, a empresa prestadora de serviços contrata e remunera o trabalho realizado por seus empregados, ou subcontrata outra empresa para realização desses serviços, não configurando vínculo empregatício entre a empresa contratante e os trabalhadores ou sócios das empresas prestadoras de serviços, qualquer que seja o ramo, ou seja, o governo se ausenta de sua responsabilidade e a transfere para o setor privado, afetando negativamente o serviço público.
Assim, o trabalhador terceirizado sofre com a instabilidade no emprego, intensificação do rebaixamento salarial, desrespeito aos direitos trabalhistas, maior suscetibilidade a acidentes de trabalho e empecilhos para a organização e representação sindical, pois está subordinado diretamente ao poder do patrão que pode demitir sempre que for de seu interesse.
É preciso dizer que essa modalidade de contratação, viabilizada pelo governo petista de Dilma aliado aos grandes empresários, representa uma estratégia de destruição da classe trabalhadora, de inviabilização dos antagonismos de classe, servindo ao aumento da exploração do trabalhador que se vê reduzido à condição de coisa invisível.
Quanto aos trabalhadores terceirizados do Restaurante Universitário da UFPR, expressamos aqui nossa solidariedade de classe e total apoio à luta travada por estes contra as arbitrariedades da empresa SOLUÇÃO com concordância, é preciso dizer, da Reitoria da Universidade que legitima esse tipo de contratação, visando a desarticulação desses trabalhadores e assim garantir a continuidade da exploração e precarização das relações de trabalho sem resistência.
Assim, defendemos:
- Não às terceirizações!
- Pela retirada da empresa SOLUÇÃO da UFPR!
- Por concursos públicos nas Universidades!
Que os trabalhadores terceirizados da UFPR tenham os mesmos direitos que os trabalhadores concursados!

Somente com mobilização, organização e luta esses trabalhadores poderão resistir aos ataques e garantir a manutenção de seus direitos, porém, é necessário ir além das concessões trabalhistas e aqui o PSTU se mostra como alternativa de organização desses lutadores para o combate contra a exploração capitalista e construção de outra sociedade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui a sua opinião!

Marcadores