18 de abril de 2012

Câncer: doença que se agrava sob o capitalismo


É possível revolucionar o combate ao câncer e reduzir em mais de 50% o número de casos da doença?
Para responder essa pergunta, o Centro de Câncer da Universidade de Washington, nos Estados Unidos, tem a resposta. Não só é possível diminuir o número de casos de câncer pela metade, como é possível ir mais além. Em pesquisa inédita realizada em todo o mundo e divulgada no final de março deste ano, o centro de câncer da Universidade de Washington comprovou que 70% dos casos de câncer ocorrem devido a causas que podem ser prevenidas. Isso significa dizer que é plenamente possível acabar com 70%, de vários tipos de câncer, em todo o mundo.
Para que isso aconteça precisamos combater as situações e hábitos de vida que causam a doença: consumo excessivo de sódio e gorduras, agrotóxicos contido em frutas e verduras em geral, sedentarismo (não prática de exercícios físicos regularmente), exposição excessiva ao sol, hábito de fumar, estresse. Isso tudo que está escrito acima, foi comprovado e publicado cientificamente e divulgado pela mídia em geral. O que a pesquisa não diz é como que nós, trabalhadores, que somos a ampla maioria da população mundial, faremos para implementar todas essas medidas na nossa vida cotidiana.
Ter uma alimentação saudável no cotidiano é praticamente impossível para os trabalhadores. Não temos tempo para fazer todas as refeições em casa, pagar restaurantes que façam alimentos saudáveis é muito caro, não cabe no nosso orçamento, para alimentos sem agrotóxicos o problema é o mesmo, são muito mais caros do que frutas e verduras “normais”. Para praticar exercícios físicos regularmente precisamos reservar um tempo do nosso dia, mas que tempo é esse? Começamos a trabalhar desde o início da manhã e quando chegamos em casa no fim da tarde ou à noite, estamos “arrebentados” pela longa jornada de trabalho, queremos mais é descansar e ficar com pessoas queridas (amigos e familiares). Combater o estresse no dia-a-dia, tendo que encarar o trânsito infernal das grandes cidades, além da pressão cotidiana do trabalho (sempre mais e mais resultados) sem contar todas as privações e dificuldades que enfrentamos por causa dos baixos salários, parece uma piada de mau gosto.

Capitalismo: o verdadeiro problema
Capitalismo
Para revolucionarmos o combate ao câncer é preciso revolucionar essa sociedade doente onde vivemos, onde a busca pelo lucro e enriquecimento de poucos banqueiros e grandes empresários massacra cotidianamente a ampla maioria da humanidade. Nós trabalhadores, somos jogados a uma vida de privação e sofrimentos, adoecemos e morremos por causas que a ciência já comprovou que são possíveis de prevenir.
Nós trabalhadores, que produzimos e organizamos absolutamente tudo que existe no mundo temos totais condições de construir uma sociedade onde a jornada de trabalho será muito menor e todos teremos emprego, os salários serão melhores e, acima de tudo, onde as necessidades humanas mais diversas: saúde, educação, alimentação, lazer, moradia, cultura, entre muitas outras (são muitas porque somos diferentes entre si) serão a prioridade. É em torno delas que a nova sociedade irá se organizar, ao invés de lucros e riqueza sem fim para poucos, construiremos a sociedade que estará a serviço do bem estar de todos os trabalhadores: a Sociedade Socialista. Essa é a razão de existir do PSTU!


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui a sua opinião!

Marcadores