6 de fevereiro de 2012

DE SAMBA, SUOR E BALAS DE BORRACHA


Polícia Militar reprimindo foliões 
no Largo da Ordem (Foto: Jaime Costa)
Nota de repúdio PSTU Curitiba à ação da polícia no Pré-Carnaval

A tradicional festa popular do carnaval transcorria tranquilamente no Largo da Ordem, com milhares de foliões tentando resgatar aquilo que é mais rico no evento, que é a confraternização e a fantasia, quando ao final da apresentação do bloco Garibaldis e Sacis, foi surpreendida, mais uma vez, com a ação truculenta da PM e da Polícia Civil, que se utilizando de dois de seus grupos especializados, a RONE e o COPE, dispersaram a multidão de pessoas que brincavam, causando medo, revolta e diversos feridos.
O pretexto para a atuação das polícias teria sido o fato de que alguns foliões estavam com som alto e depois de uma intervenção dos policiais teriam atingindo uma viatura com uma garrafa. A partir desta desculpa os policiais sentiram-se autorizados a exercer a sua ordem e de forma indistinta passaram a agredir gratuitamente todos que estavam ali para pular o carnaval, como se num verdadeiro campo de batalha estivessem.

Segundo alguns presentes, o fato de fundo que levou à intervenção policial teria sido o desacato ocorrido a dois policiais militares e por conta disso a “cavalaria” foi acionada em solidariedade aos colegas de farda, nem que fosse preciso jogar spray de pimenta e atirar balas de borrachas em mulheres, crianças e cadeirantes.

É importante registrar e as imagens tornadas públicas não deixam dúvidas que a Guarda Municipal também participou da abusiva operação e, o que é mais grave, portando e apontando armas letais para a população. Essa situação somada às denúncias de que teriam sumido as provas da operação da polícia civil contra a Mansão do Parolin, envolvendo políticos e grandes empresários, tiram a máscara da verdadeira face da segurança pública do Paraná.

Onde estão os responsáveis que se recusam a falar com a imprensa e a dar satisfação pública para a população. Cadê o governador Beto Richa (PSDB) e o Prefeito Luciano Ducci (PSB), que simplesmente se silenciam sobre questões tão graves como estas?

O uso das forças policiais numa sociedade de classes como a nossa fica cada vez mais evidente em episódios desta natureza. Quando a polícia civil age contra políticos e grandes empresários é retaliada pelo governo, que ameaça os policiais que atuaram na operação esconde ou desaparece com provas, já quando a população busca de forma coletiva recuperar uma festa popular, sem precisar usar cordões de isolamento e abadas caros, a polícia é chamada a intervir para manter a ordem. Parafraseando o poeta “nada causa mais horror à ordem, do que homens e mulheres que sonham. Nós sonhamos e organizamos o sonho”!

Por isso, o PSTU-Curitiba, denuncia a atuação abusiva, ilegal e desproporcional das polícias e exige do governo do Estado a imediata punição dos responsáveis pela operação e exige do Prefeito Municipal a punição aos responsáveis da Guarda Municipal.

Exigimos ainda a garantia de um carnaval sem violência do Estado contra os foliões.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui a sua opinião!

Marcadores